‘Deus Pátria Autoridade’ e ‘Bom Portugês’ de Rui Simões para ver em Évora.

Estimated read time 4 min read

Évora e Montemor o Novo

A exibição destes dois filmes antecipam a chegada da PRIMEIRA OBRA novo filme de RUI SIMÕES dia 25 de abril nos cinemas.

Sessão especial dia 11 de abril em Montemor-o-Novo.

Hoje e amanhã, às 21h30 no Auditório Soror Mariana, Rui Simões estará presente na exibição de Deus Pátria Autoridade e Bom Povo Português, um regresso às salas de cinema após mais de 40 anos. A exibição destes dois filmes é no âmbito da programação do ciclo de cinema, 50º aniversário do 25 de abril.

A exibição destes dois filmes vem antecipar a chegada de PRIMEIRA OBRA, o mais recente filme do realizador Rui Simões que chega às salas de cinema no próximo dia 25 de abril, sendo esta a sua primeira longa-metragem na área da ficção. Com distribuição da Real Ficção, teve a sua estreia mundial na última edição do Festival IndieLisboa. A chegada deste filme às salas de cinema portuguesas vem comemorar o 50ºaniversário do 25 de Abril, assim como os 50 anos de carreira de Rui Simões e o seu 80º aniversário.  Ainda antes da chegada às salas de cinema, decorrerá no dia 11 de abril, uma sessão especial no Cineteatro Curvo Semedo, em Montemor-o-Novo que contará com a presença do realizador.

Abril será ainda marcado pelo regresso às salas de cinema de documentários que marcaram a carreira do cineasta. 40 anos depois é possível revisitar Deus Pátria Autoridade e Bom Povo Português.

PRIMEIRA OBRA

É também um filme autobiográfico, uma vez que tem como ponto de partida o anterior filme do realizador. Retrata a história de um jovem investigador luso-descendente, Michel que chega de câmara na mão para pesquisar a Revolução por cumprir. Traçando paralelismos com a contemporaneidade, mapeia as formas em que o filme BOM POVO PORTUGUÊS reflete o país inserido na Europa. Em conversa com Simão, histórico cineasta, Michel procura respostas para o seu filme. Ao conhecer Susy, activista do ambiente, percebe que o amor é o caminho. Como sempre, a vida e o cinema misturam-se.

Sobre esta obra, Rui Simões refere que ”Uma das minhas preocupações na realização desta minha primeira longa de ficção foi tentar casar realidade e ficção, na esperança de um final feliz. O cinema conta sempre uma história de amor, por vezes também de luta de classes”.

Ficha técnica

Atores – Zé Bernardino, Ulé Baldé, António Fonseca, Joana Brandão, Maty Galey, Beatriz Gaspar, Jean-Marie Galey e Alice Barros Simões
Participação Especial – Dalila Carmo, Manuel João Vieira, Miguel Seabra, Manuel Mozos, Adriana Queiroz, Isabel Ruth Olga Roriz e Filipa Mayer
Realização – Rui Simões
A partir de um argumento de Sabrina D. Marques
de uma ideia de Rui Simões
Direcção de Fotografia – João Serralha
Director de Som – Paulo Cerveira
Montagem – Francisco Costa
Música Original e Sound Design – Ricardo Guerreiro
Misturas – Paulo Abelho
Montagem de Som – Tiago Inuit
Decoração – João Dourado
Figurinos – Tânia Franco
Maquilhagem e Cabelos – Íris Peleira
Direcção de Produção – Beatriz Jarmela
Produção – Jacinta Barros, Rui Simões

Sobre Rui Simões

Rui Simões nasceu em 1944, estudou realização de cinema e televisão no Institut des Arts de Diffusion em Bruxelas, Bélgica. Onde trabalhou como fotógrafo de cena. De volta a Portugal a seguir à revolução de 1974 viria a realizar os icónicos filmes do pós 25 de Abril, “Deus Pátria, Autoridade” e “Bom Povo Português”.