Últimas:
Universidade de Évora cumpre Agenda 2030 das Nações Unidas. – TDS Radio e Televisão do Sul
Siga-nos
blank

Educação

Universidade de Évora cumpre Agenda 2030 das Nações Unidas.

A Agenda 2030 reconhece a importância da educação para o desenvolvimento sustentável através do ODS 4 – Educação de qualidade.

Rádio e Televisão do Sul | TDS

Publicado

em

A Universidade de Évora é a primeira universidade portuguesa a mapear os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) na sua oferta formativa, reforçando assim o seu alinhamento com as políticas traçadas na Agenda 2030 das Nações Unidas.

“O primeiro passo da UÉ no processo de mapear os ODS na sua oferta formativa consiste em reconhecer os contributos que uma determinada Unidade Curricular (UC) pode dar para os ODS.”

Por um lado, existem UC específicas sobre ODS (ou que contêm módulos sobre ODS) e, por outro, UC que, através dos seus resultados de aprendizagem, podem contribuir para alguns ODS.

Assim, se os objetivos de uma determinada UC estiverem alinhados com um ou mais ODS, ou se uma UC fornecer aos estudantes as competências para responderem aos desafios relacionados com um ou mais ODS, os mesmos serão assinalados na respetiva ficha de disciplina.

Trata-se de um procedimento ágil, que tem envolvido a comunidade académica e que coloca a Universidade de Évora a par de outras universidades de referência na Europa e no mundo.

O nosso planeta enfrenta preocupantes desafios sociais, económicos e ambientais. O ano 2015 ficou marcado pela definição da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável, que aborda várias dimensões do desenvolvimento sustentável e que promove a paz e a justiça.

Apresentados em setembro desse mesmo ano como pilares da Agenda 2030, os 17 ODS e as respetivas 169 metas, representam as prioridades e aspirações para a próxima década que influenciarão a qualidade de vida de todos os cidadãos.

A sua implementação requer o envolvimento e empenho de todas as partes: governos, empresas e pessoas. E as universidades, através das suas atividades educativas e de aprendizagem, devem desempenhar um papel importante na implementação dos ODS, contribuindo também assim para um futuro mais sustentável e inclusivo.

As universidades têm a capacidade de mobilizar os jovens para a importância da Agenda 2030, de proporcionar aos estudantes o conhecimento e as competências para enfrentarem os desafios dos ODS, bem como de promover oportunidades para melhoria das competências de estudantes e profissionais de países em desenvolvimento.

A Agenda 2030 reconhece a importância da educação para o desenvolvimento sustentável através do ODS 4 – Educação de qualidade, sendo que algumas das metas desse ODS exigem explicitamente a atuação das universidades.

Muitas outras metas têm uma relevância direta nas atividades de ensino e aprendizagem nas academias e, como tal, o ensino superior incorpora desde logo o ODS 4, pelo que este ODS está presente nas fichas de disciplina de todas as UC da Universidade de Évora.

Agricultura

38 novos postos de trabalho ao serviço da ciência em Elvas

Centro de Valorização e Transferência de Tecnologia

Rádio e Televisão do Sul | TDS

Publicado

em

38 novos postos de trabalho ao serviço da ciência em Elvas

“Centro de Valorização e Transferência de Tecnologia”

A obra do Centro de Valorização e Transferência de Tecnologia prossegue no Instituto Nacional de Investigação Agrário e Veterinária Elvas, a antiga Estação de Melhoramento de Plantas.

O presidente da Câmara Municipal de Elvas, Nuno Mocinha, visitou o espaço na manhã desta quarta-feira, dia 24, no que foi acompanhado pelo diretor do INIAV Elvas, Benvindo Maçãs, e outros técnicos ligados à obra em curso.

O Laboratório Colaborativo InnovPlantProtect (InPP) é uma associação privada sem fins lucrativos, criada em janeiro de 2019, constituída por iniciativa da Universidade Nova de Lisboa e que congrega 12 fundadores: INIAV, Município de Elvas, Universidade de Évora, Syngenta Crop Protection, Bayer CropScience Portugal, Fertiprado, CEBAL, Casa do Arroz, ANPOC, ANPROMIS e FNOP.  O InPP conseguiu juntar mais de sete milhões de euros para a sua instalação e contratação dos seus colaboradores

Este Laboratório Colaborativo, cujas atividades e instalação se iniciaram em Janeiro de 2020, fica sedeado no piso térreo do edifício principal do INIAV Elvas, que se encontra em obras para adaptação das condições à instalação de laboratórios e infraestruturas modernas. Provisoriamente, encontra-se instalado no primeiro andar do mesmo edifício.

O InPP tem com missão desenvolver biopesticidas inovadores para proteger as culturas mediterrânicas. Para cumprir esta missão, vão utilizar-se os mais modernos conhecimentos científicos para, em colaboração com diferentes instituições interessadas, resolver os problemas que se colocam à agricultura mediterrânica, devido à redução da disponibilidade de princípios ativos e ao surgimento de novas pragas e doenças, para as quais não há soluções de prevenção e combate.

Neste contexto, o InPP tem como objetivos específicos produzir novos biopesticidas para pragas e doenças; novas variedades resistentes a pragas e doenças; novos métodos de monitoramento e diagnóstico e; novos métodos de análise de risco e aplicação de pesticidas.

Os Laboratórios Colaborativos têm como objetivo criar emprego altamente qualificado nas regiões menos povoadas do país. O InPP tem, atualmente, contratados 38 pessoas, 16 das quais doutoradas, 17 mestres e cinco licenciados. Estas pessoas em conjunto têm as seguintes competências, disponíveis para atingir os objetivos do InPP: Biologia molecular de plantas, fungos e bactérias patogénicos, e de pragas; Bioquímica e Microbiologia; Biotecnologia e Melhoramento Molecular; Bioinformática e Bioestatística; Formulações e Nano e Microtecnologia; Desenvolvimento de Produtos; Sistemas de Informação Geográfica; Ciências da Computação e Inteligência Artificial e Gestão de Projetos e de Comunicação.

O InPP pretende colocar as suas competências ao serviço local, regional, e Internacional, estando a envidar esforços para integrar e acolher a sua equipa em Elvas. Atualmente, pese embora as limitações derivadas da pandemia e do confinamento, a maioria dos colaboradores vive já na cidade, estando disponíveis para colaborar com as instituições locais, no âmbito das suas competências.

Continuar a ler

x
error: Content is protected !!