Siga-nos

Agricultura

Primeira fábrica de processamento de nozes em Portugal vai nascer no concelho de Évora.

Investimento na ordem dos 6,2 M€

Rádio e Televisão do Sul | TDS

Publicado

em

Investimento na ordem dos 6,2 M€. Inauguração agendada para 13 novembro

“… permitirá não só processar a produção do Grupo Sogepoc mas também a produção de terceiros”

O projeto considera uma área de 647 hectares em Portugal (477 hectares de nogueiras e 170 hectares de amendoeiras), em São Manços (Évora) e em Veiros (Estremoz).

Com o funcionamento em pleno das duas primeiras fases – de viveiro (de plantas de nogueira) e de exploração agrícola – o Grupo Sogepoc avança agora para a terceira etapa: a fábrica de processamento de nozes Nogam, que será a primeira em Portugal.

A Linha de Processamento de Nozes é uma atividade crítica na cadeia de valor de produção de nozes (inclui a remoção da casca exterior verde, lavagem das nozes e secagem).

Este projeto de investimento de € 6,2 Milhões, que será o primeiro em Portugal, permitirá não só processar a produção do Grupo Sogepoc mas também a produção de terceiros, o que incentivará fortemente o crescimento da produção de nozes em Portugal. Ou seja, com esta nova fase da integração vertical, pretende-se controlar a qualidade do produto
final e assegurar a sustentabilidade e rastreabilidade da produção

A Sogepoc é um grupo familiar, de capital português, com uma longa experiência na agroindústria.

Desde 2016 tem vindo a fazer um investimento no setor dos frutos secos, procurando dar resposta ao aumento do consumo destes produtos (amêndoas, nozes, pistácios, avelãs, cajus, pinhão ou amendoim), que tem vindo a crescer significativamente, alavancado pelos benefícios para a saúde, tendências de alimentação saudável e pelo seu valor nutricional.

Agricultura

11 casos de Covid 19 em migrantes no Brejão

Populações estão preocupadas.

Rádio e Televisão do Sul | TDS

Publicado

em

Casos estão a assustar as populações

“Aldeia de S.Miguel, Brejão, está em sobressalto”

São mais 11 casos de Covid 19 em migrantes que trabalham nas estufas do litoral alentejano.

Desta vez é na Aldeia de S.Miguel, Brejão, no concelho de Odemira.

A população está alarmada já que continua a assistir à movimentação de trabalhadores agrícolas.

Nesta altura mais 15 trabalhadores estão a aguardar o resultado do teste realizado.

Os migrantes estão em casas na aldeia e são alimentados pelos serviços da autarquia.

Continuar a ler

error: Content is protected !!