Siga-nos

Sociedade

MB WAY: Só em janeiro verificaram-se tantas queixas como em 2019.

Os utilizadores de plataformas de venda de particular a particular, como o OLX e Custo Justo, são os principais alvos destes esquemas de burla.

Rádio e Televisão do Sul | TDS

Publicado

em

O Portal da Queixa verificou um aumento significativo do número de reclamações referentes a burlas feitas através do sistema de pagamento MB WAY – que permite fazer transferências instantâneas de dinheiro entre números de telemóvel associados à app, gerar cartões virtuais e usar o MULTIBANCO sem ter de usar cartão bancário.

Em 2019, as 102 queixas registadas traduziram um aumento de 75%, face ao período homólogo (41 queixas em 2018). Em 2020, a maior rede social de consumidores de Portugal já recebeu 86 reclamações, ou seja, em apenas um mês, verifica-se quase o total de queixas recebidas em 2019, registando um aumento de 169% face ao período homólogo.

“Embora não seja um tema recente, verificámos um aumento exponencial de reclamações por burla através do sistema MB WAY, nos últimos seis meses, pelo qual sentimos o dever de alertar os consumidores. Por sermos uma plataforma que tem como principal objetivo a partilha de experiências de consumo, é essencial que os nossos utilizadores estejam atentos e sejam conhecedores dos vários esquemas de fraude e burla, com vista a potenciar o aumento da literacia digital junto da sociedade portuguesa”, refere Pedro Lourenço, CEO do Portal da Queixa

Pedro Lourenço salienta que “o Portal da Queixa tem vindo a alertar os consumidores para este crescente fenómeno através dos seus veículos de comunicação, tendo já enviado informação por newsletters, nas redes sociais e através da partilha de notícias com os utilizadores e visitantes da plataforma” revelando ainda que: “estamos inclusivamente a preparar um projeto na área de literacia digital, com vista a potenciar o conhecimento destas práticas fraudulentas.

De referir que, das entidades públicas, apenas a PSP, a GNR e a Polícia Judiciária, foram os órgãos de segurança que alertaram para o perigo e a existência de burlas através da aplicação MB WAY.  Até ao momento, nenhum órgão do estado de supervisão (Banco de Portugal) ou de apoio ao consumidor (Direção Geral do Consumidor) veio a público alertar os consumidores para este fenómeno.

O processo começa num contacto de interesse no artigo à venda, seguindo-se a oferta de aquisição por meio de pagamento MB WAY. O esquema é consumado, quando o vendedor (vítima) refere desconhecer o funcionamento da aplicação de pagamento, sendo convidado pelo alegado burlão a dirigir-se a uma caixa MULTIBANCO, com vista a colocar o cartão de débito e inserir o número de telefone e código de acesso, que este lhe fornece, para proceder ao pagamento.

A vítima julga estar a inserir os códigos para receber o dinheiro, contudo está a fornecer pleno acesso à sua conta bancária.

O Portal da Queixa alerta para que os consumidores lesados neste esquema de burla, procedam sempre à queixa-crime nas autoridades policiais da sua área de residência, com vista a permitir a investigação criminal e levar os criminosos à justiça.

SIBS esclarece utilizadores

Por seu turno, a SIBS, entidade gestora da Rede MULTIBANCO, perante as comunicações de burla e fraude geradas pela utilização do serviço MB WAY, tem emitido esclarecimentos onde alerta e informa os consumidores.

Da mesma forma, tem mantido o contacto direto e de proximidade com todos os utilizadores, que registam a sua experiência no Portal da Queixa, refletido pela taxa de resposta de 98% e do Índice de Satisfação de 78,5%, que mantem atualmente.

A SIBS manifestando preocupação acerca do aumento das reclamações relativas a este tema, sugere a adoção de recomendações e regras fundamentais (também disponíveis no site e redes sociais do MB WAY) para que os utilizadores acedam aos serviços financeiros com a máxima segurança:

  • Nunca deve adicionar, ou permitir que adicionem à sua conta ou cartão bancário, um número de telemóvel que não possui ou desconhece, quer seja através do MULTIBANCO, quer seja através do homebanking.
  • Nunca deve seguir orientações de terceiros ou desconhecidos para fazer uma transação financeira, seja qual for, nomeadamente uma adesão ao serviço MB WAY. Da mesma forma, nunca deve fornecer dados ou códigos da sua conta a um desconhecido.
  • Os bancos não solicitam, telefonicamente ou por mail, que adicione à sua conta bancária um número de telemóvel que não é seu ou não conhece. Caso seja contactado neste sentido e desconfie da legitimidade do contacto, deverá de imediato entrar em contacto com o seu banco.
  • Da mesma forma, nenhuma entidade legítima, como operadoras de comunicação ou de outros serviços, lhe poderá solicitar, telefonicamente ou por mail, que adicione à sua conta bancária um número de telemóvel que não é seu ou não conhece. Caso seja contactado neste sentido e desconfie da legitimidade do contacto, deverá de imediato entrar em contacto com o seu banco.
  • Nunca forneça dados confidenciais ou pessoais como resposta a mensagens de correio eletrónico ou via sms, mesmo que a origem da solicitação aparente ser legítima.
  • Não siga ligações que recebeu em mensagens de correio eletrónico ou via sms.
  • Verifique os extratos das suas contas bancárias regularmente.
  • A SIBS recomenda que contacte o seu banco para adicionar o(s) seu(s) número(s) de telemóvel para que possam ter a sua ficha de cliente totalmente preenchida.

Continuar a ler
Publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

avatar
700

Sociedade

Corrida de Touros em Beja com João Moura gera polémica

Corrida vai ter lugar a 14 de março para arranjar verba para criança doente oncológica

Rádio e Televisão do Sul | TDS

Publicado

em

A associação Acreditar veio demarcar-se da tourada que se irá realizar no próximo dia 14 de março, em Beja, e que conta em cartaz com João Moura, cavaleiro acusado de maus tratos a animais e que este mês viu 18 galgos serem resgatados da sua herdade.

Esta é uma história que tem início em 2019 quando a Acreditar foi abordada pelo pai de uma criança, doente oncológica, que está a fazer tratamento em Coimbra, para a realização de um evento tauromáquico com vista a angariar fundos para a ajudar no financiamento de próteses para o filho.

Segundo a Acreditar, nas conversações, a associação colocou “várias reservas ao evento” e não assinou nenhum texto ou protocolo que a organização do mesmo lhes submeteu.

Ainda assim, o evento manteve-se. Agendada para o dia 14 de março, em Beja, na Praça de Toiros José Varela Crujo, com um cartaz que inclui os nomes dos cavaleiros João Moura, António Ribeiro Telles, João Salgueiro, João Moura Jr., João Ribeiro Telles e João Salgueiro da Costa, a tourada intitulada “Acreditar na Vida” publicita-se como um evento de beneficência a favor do Centro de Paralisia Cerebral de Beja e da Associação Acreditar.

Continuar a ler
Publicidade
Publicidade

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

OUTRAS NOTÍCIAS

Categorias

Comentários

ARQUIVO

Publicidade

Mais vistas

Copyright © 2020 TDS - Rádio e Televisão do Sul | redação: info@televisaodosul.pt 266702926 |Comercial: dialogohabil@gmail.com 917278022