Siga-nos

Artes

Maria Leal da Costa apresenta exposição “Mãos que falam” em Monsaraz

Nesta exposição, cada mão ganha existência e comunica um sentido distinto, em função de quem a olha e interpreta.

Avatar

Publicado

em

“Mãos que falam” é o título da exposição de escultura que Maria Leal da Costa apresenta de 11 de maio a 7 de julho na Igreja de Santiago – Galeria de Arte, em Monsaraz. A mostra integra o ciclo de exposições Monsaraz Museu Aberto e pode ser apreciada diariamente entre as 9h30 e as 12h30 e das 14h às 18h.

Nesta exposição, cada mão ganha existência e comunica um sentido distinto, em função de quem a olha e interpreta. Um périplo que toma como referencial o domínio da gestualidade, com o riquíssimo acervo de símbolos que lhe está associado.

A obra de Maria Leal da Costa encontra-se representada em coleções privadas e públicas em Portugal e no estrangeiro. Realizou, por exemplo, a escultura “Indagações” para o edifício sede da Comissão Europeia, em Bruxelas, as esculturas públicas “Paul Harris” e “Torre de Belém” em Lisboa, “Castanheiro”, “Inspiração”, “Voo” e “Flor de São Tiago” em Marvão, “Cavalo Lusitano” e “Jogo de Memórias” em Portalegre, “D’Amor” em Évora e “Cavalo Alter Real” em Alter do Chão. A artista fez também esculturas tácteis com acessibilidade comunicativa para cegos e pessoas com mobilidade reduzida em Marvão, Penafiel e Lisboa.

Maria Leal da Costa expõe regularmente os seus trabalhos desde 1994 em Portugal, Espanha, China, Itália, França, Bélgica, Lituânia, Inglaterra e Estados Unidos da América. Em 2011 foi publicado o livro “VOAR, poems and pictures resting on the sculptures of Maria Leal da Costa” e em 2015 o livro “Maria Leal da Costa – Escultura” sobre 25 anos do seu trabalho. Em 2017 foi apresentado o documentário sobre a sua obra, intitulado “O Gesto Escultórico”, e recebeu a Medalha de Mérito Municipal de Marvão.

Continuar a ler
Publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

avatar
700

Agenda

 ‘Sons com História’ sucede ao ‘Andanças’

A organização quer criar um Festival de Música que se torne referência nacional e até mesmo internacional, na promoção e divulgação de intérpretes, que sirva de plataforma interdisciplinar de cultura musical

TDS noticias

Publicado

em

O sonho de divulgar e projetar cantores, músicos e performers da região e de todo o país trazendo-os ao interior, onde as populações assumem a cultura enquanto pilar decisivo para o desenvolvimento local. 

Do encontro das almas sonhadoras de Nuno Velez, Ana Paula Russo e do Presidente da Câmara Municipal de Castelo de Vide, António Pita, tomou vida aquela que será́ a primeira edição do Sons com História. 

Queremos criar um Festival de Música que se torne referência nacional e até mesmo internacional, na promoção e divulgação de intérpretes, que sirva de plataforma interdisciplinar de cultura musical e, ainda, na qualificação da oferta cultural do Município. 

A abertura do Festival, dia 27 de junho às 21h30, ficará a cargo das Vozes Alfonsinas com o espetáculo de música medieval e sefardita intitulado “De amores e devoções”, que poderá́ ser desfrutado no auditório da Fundação Nossa Senhora da Esperança, no Convento de São Francisco. 

No dia 28 de junho, também às 21h30, o nosso postal de visita que é o Largo da Fonte da Vila irá ser o palco que receberá o filho da terra professor António Eustáquio com o seu grupo Guitolão World Project acompanhados pela voz da cantora convidada (castelo-vidense) Vera Soldado e focado na música baseada na literatura musical ibérica. 

Os Voice’n’Combo vão trazer-nos ao Cine-teatro Mouzinho da Silveira, no Sábado dia 29 de junho às 21h30, uma viagem pelos standards do jazz vocal e instrumental do séc. XX, evidenciando as diferenças entre as várias épocas. 

Para o último dia desta primeira edição do Sons com História, dia 30 de junho, reservámos para a liturgia de domingo a Grande Missa Cantada, XIII Domingo do Tempo Comum – Ano C, a cargo do Ensamble São Tomás de Aquino na Igreja Matriz de Santa Maria da Devesa às 12h00.

Continuar a ler

Top

TDS Peça Orçamento