Últimas:
Marcelo Rebelo de Sousa ‘esqueceu-se’ da presidência aberta no Alentejo. – TDS Radio e Televisão do Sul
Siga-nos
blank

Política

Marcelo Rebelo de Sousa ‘esqueceu-se’ da presidência aberta no Alentejo.

Deveria ter sido realizada durante o mês de junho.

Foto: Presidência da República
Rádio e Televisão do Sul | TDS

Publicado

em

Marcelo Rebelo de Sousa está em Luanda

“Presidente ‘troca’ Odemira por Luanda”

O Presidente da República está desde ontem em Luanda.

Acompanhado do ministro dos Negócios Estrangeiros entregou, no aeroporto de Luanda, uma primeira remessa de 50 mil vacinas contra a covid-19 destinadas a Angola no âmbito da cooperação da CPLP.

Marcelo preferiu Luanda a Odemira onde já deveria ter ido no decorrer da Presidência Aberta ao Alentejo agendada para o passado mês de junho e que não se realizou.

Recorde-se que o presidente pediu, no início de maio deste ano, “relatórios” sobre a situação laboral nas estufas agrícolas de Odemira.

Na altura a presidência anunciou uma Presidência Aberta no Alentejo.

A Presidência Aberta  foi anunciada com um ponto obrigatório – a situação dos imigrantes que trabalham nas grande produções agrícolas alentejanas, nalguns casos em situações que violam os mais elementares direitos humanos.

Marcelo Rebelo de Sousa está à espera de “relatórios” com dados que encarregou as suas assessorias de recolherem sobre a situação laboral e epidemiológica dos imigrantes que vivem e trabalham no concelho de Odemira em condições degradantes.

Até hoje não foi confirmado se o presidente já teve acesso a estes relatórios.

A Presidência Aberta deixou de ser uma prioridade para Marcelo Rebelo de Sousa que continua sem ter data marcada.

Economia

Manifesto de apoio ao corredor sudoeste ibérico vai ser assinado

Será assinado em Évora

Rádio e Televisão do Sul | TDS

Publicado

em

Assinatura de documento

“Manifesto é assinado em Évora “

Cientes da extrema importância do estabelecimento do CORREDOR SUDOESTE IBÉRICO, da sua rápida conclusão e operacionalização, os Presidentes da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Alentejo (CCDR Alentejo), António Ceia da Silva e da Agência de Desenvolvimento Regional do Alentejo (ADRAL), José Calixto, assinam no próximo dia 23 de julho, pelas 10.30h, nas instalações da CCDR Alentejo.

O Manifesto de apoio ao Corredor Sudoeste Ibérico, instando a União Europeia, a República Portuguesa, o Reino de Espanha e seus respetivos Governos a priorizarem a conexão entre as capitais ibéricas e a realizar todas as ações necessárias de forma a que entre em pleno funcionamento o CORREDOR SUDOESTE IBÉRICO, no sentido de impulsionar a transformação deste espaço como um novo eixo de desenvolvimento europeu.

O CORREDOR SUDOESTE IBÉRICO conta com o apoio de diversas entidades públicas e privadas, e mais recentemente dos Alcaldes de Madrid e Badajoz, que assinaram o Manifesto no passado mês de junho numa cerimónia que contou com a presença do Embaixador de Portugal, João Mira-Gomes.

No início de 2017, um grupo de empresas criou a plataforma “Extremadura en Red” com o objetivo de promover as ligações da região às redes ibéricas do século XXI. Prontamente emergiu o conceito do CORREDOR SUDOESTE IBÉRICO como uma potencial rede de fluxis interligados entre Lisboa/Sines e Madrid/Corredor Mediterrâneo e espalhada por todo o território.

É um conceito que gera interesse muito para além de cada um dos seus elementos, visto que cada uma destas redes tem a sua identidade e dinâmica própria devido às ligações entre partes, mas também nas ligações entre as suas diferentes redes e entre elas e o seu meio.

As conexões de cada parte não devem continuar a ser vistas como independentes, mas como pertencentes a todos os elementos que compõem a rede, para que todas se complementem, se cruzem e interajam, emergindo uma nova realidade muito mais complexa e dinâmica.

As redes da Extremadura, Alentejo, Castilla La Mancha, Setúbal, Algarve, Oeste da Andaluzia e Centro de Portugal interagem com as de Lisboa e Madrid, constituindo a rede do CORREDOR SUDOESTE IBÉRICO, as quais estão interligadas com as redes ibéricas, europeias e globais formando um todo.

Este processo conduziu ao estabelecimento de uma rede de empresas comprometidas com o projeto SUDOESTE IBÉRICO EM REDE e que, em cooperação com entidades públicas e privadas pretendem tornar o Corredor Sudoeste Ibérico uma realidade.

Continuar a ler

x
error: O conteúdo está protegido!!