Últimas:
Hotelaria e Lazer são os setores mais afetados pela crise COVID-19 – TDS Radio e Televisão do Sul
Siga-nos
blank

Economia

Hotelaria e Lazer são os setores mais afetados pela crise COVID-19

Entre as quedas também está o sector da Energia

Rádio e Televisão do Sul | TDS

Publicado

em

European Payment Report 2021

“Hotelaria e Lazer são os setores mais afetados pela crise COVID-19”

Intrum coloca o setor da hotelaria e lazer no top 5 das Indústrias que consideram que uma recessão terá um impacto negativo na sua empresa

A Intrum divulgou o seu mais recente relatório – EPR: European Payment Report 2021, com foco nos riscos de pagamento das empresas a nível nacional e internacional no período pós pandemia.

De acordo com este estudo da Intrum, o setor da Hotelaria e Lazer (64%) foi a indústria onde as margens de lucro foram as mais afetadas pela crise COVID-19.

Seguem-se os Serviços Empresariais (56%), Energia, extração mineira e utilities (50%) e Governo e Setor Público (50%).

A indústria menos afetada é dos Transportes e Logística, registando uma percentagem de apenas 5%.

O Setor da Hotelaria e Lazer (86%) encontra-se também no top 5 das Indústrias que consideram que uma recessão terá um impacto negativo na sua empresa.

No Top 5 encontra-se ainda o setor da Energia, extração mineira e utilities (86%), Imobiliário e Construção (88%), Governo e Setor Público (90%) e em primeiro lugar e com perspetiva mais negativa, o setor da Tecnologia, Comunicação Social e Telecomunicações (92%).

O EPR 2021 fez ainda o levantamento dos setores que mais demoram a pagar as suas faturas.

De acordo com o estudo, as empresas dos Transportes e Logística são as que mais tempo demoram a pagar as suas faturas, com um total de 78 dias, mais 12 dias do que em 2020 e mais 14 dias que a média europeia.

A seguir encontra-se a Indústria da Energia, extração mineira e utilities com um total de 66 dias, mais 10 dias que em 2020 e o setor da Tecnologia, Comunicação Social e Telecomunicações com um total de 60 dias, mais 6 dias que em 2020.

Em contrapartida, o setor da Hotelaria e Lazer, de acordo com o estudo da Intrum, demora 56 dias a pagar as suas faturas, menos 6 dias que em 2020.

Também o setor da indústria Farmacêutica, Medicina e Biotecnologia foi um dos que revelou uma melhoria no tempo de pagamento das suas faturas, passando de 58 dias em 2020 para 47 dias em 2021.

O setor financeiro é que que demora menos tempo a pagar as suas faturas, com os Bancos, Serviços Financeiros e Seguros a cumprir os seus pagamentos em 32 dias em 2021, menos um dia que em 2020.

Continuar a ler
Publicidade

Economia

Manifesto de apoio ao corredor sudoeste ibérico vai ser assinado

Será assinado em Évora

Rádio e Televisão do Sul | TDS

Publicado

em

Assinatura de documento

“Manifesto é assinado em Évora “

Cientes da extrema importância do estabelecimento do CORREDOR SUDOESTE IBÉRICO, da sua rápida conclusão e operacionalização, os Presidentes da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Alentejo (CCDR Alentejo), António Ceia da Silva e da Agência de Desenvolvimento Regional do Alentejo (ADRAL), José Calixto, assinam no próximo dia 23 de julho, pelas 10.30h, nas instalações da CCDR Alentejo.

O Manifesto de apoio ao Corredor Sudoeste Ibérico, instando a União Europeia, a República Portuguesa, o Reino de Espanha e seus respetivos Governos a priorizarem a conexão entre as capitais ibéricas e a realizar todas as ações necessárias de forma a que entre em pleno funcionamento o CORREDOR SUDOESTE IBÉRICO, no sentido de impulsionar a transformação deste espaço como um novo eixo de desenvolvimento europeu.

O CORREDOR SUDOESTE IBÉRICO conta com o apoio de diversas entidades públicas e privadas, e mais recentemente dos Alcaldes de Madrid e Badajoz, que assinaram o Manifesto no passado mês de junho numa cerimónia que contou com a presença do Embaixador de Portugal, João Mira-Gomes.

No início de 2017, um grupo de empresas criou a plataforma “Extremadura en Red” com o objetivo de promover as ligações da região às redes ibéricas do século XXI. Prontamente emergiu o conceito do CORREDOR SUDOESTE IBÉRICO como uma potencial rede de fluxis interligados entre Lisboa/Sines e Madrid/Corredor Mediterrâneo e espalhada por todo o território.

É um conceito que gera interesse muito para além de cada um dos seus elementos, visto que cada uma destas redes tem a sua identidade e dinâmica própria devido às ligações entre partes, mas também nas ligações entre as suas diferentes redes e entre elas e o seu meio.

As conexões de cada parte não devem continuar a ser vistas como independentes, mas como pertencentes a todos os elementos que compõem a rede, para que todas se complementem, se cruzem e interajam, emergindo uma nova realidade muito mais complexa e dinâmica.

As redes da Extremadura, Alentejo, Castilla La Mancha, Setúbal, Algarve, Oeste da Andaluzia e Centro de Portugal interagem com as de Lisboa e Madrid, constituindo a rede do CORREDOR SUDOESTE IBÉRICO, as quais estão interligadas com as redes ibéricas, europeias e globais formando um todo.

Este processo conduziu ao estabelecimento de uma rede de empresas comprometidas com o projeto SUDOESTE IBÉRICO EM REDE e que, em cooperação com entidades públicas e privadas pretendem tornar o Corredor Sudoeste Ibérico uma realidade.

Continuar a ler

x
error: O conteúdo está protegido!!