Últimas:
“Gentes da Nossa Terra” encerra a semana em Arraiolos. – TDS Radio e Televisão do Sul
Siga-nos
blank

Rádio e TV

“Gentes da Nossa Terra” encerra a semana em Arraiolos.

Sónia Soares foi aos tapetes de Arraiolos em mês da Mostra Gastronómica de Arraiolos.

Rádio e Televisão do Sul | TDS

Publicado

em

No mês dos Tapetes e das Empadas com a Mostra Gastronómica de Arraiolos a TDS visitou Arraiolos.

“Sónia Soares foi ver como são feitos os tapetes de Arraiolos”

Oiça na TDS. Estas sexta feira às 11h00. Sónia Soares em Arraiolos a tomar o pulso aos Tapetes de Arraiolos.

A confeção dos tapetes de Arraiolos ter-se-á iniciado provavelmente no começo deste período, sendo fruto da curiosidade de artesãs isoladas, ou do trabalho conventual alentejano.

Trata-se, porém, de uma hipótese não confirmada até ao presente.

Possuíam cores muito bonitas, bem combinadas e em grande número. Os contornos eram bordados a ponto de pé de flor sobre serapilheira. Eram cheios a ponto de Arraiolos mais ou menos perfeito. A barra era feita sem cantos, pois estes eram feitos num quadrado. A franja era feita com agulhas de croché.

Nesta época executavam-se tapetes «eruditos» com desenhos preconcebidos muito perfeitos e outros «populares», que eram feitos de forma livre.

A Tapeçaria portuguesa bordada à mão, com o nome de Bordado de Arraiolos, só data oficialmente do princípio do século XVII, mas é permitido supor que já se praticasse muito anteriormente, visto que o ponto cruzado oblíquo (actualmente conhecido em todo o mundo por ponto de Arraiolos) também já se praticava na Península Ibérica desde o século XII.

Música

Celina da Piedade recupera e canta tema de Mértola.

Será lançado digitalmente esta sexta-feira 26 de Fevereiro.

Rádio e Televisão do Sul | TDS

Publicado

em

“As cobrinhas d’água/ Tricot” é o segundo adiantamento para o disco “Celina da Piedade ao vivo na Casinha”, que será lançado digitalmente esta sexta-feira 26 de Fevereiro.

“As cobrinhas d’água/ Tricot”

Trata-se de uma canção que nasceu do costurar de dois temas que já existiam:  “Tricot”, uma composição instrumental de Ana Santos, inspirada na linguagem musical do violino árabe, e “As cobrinhas d’água”, tema tradicional alentejano e já quase esquecido, recolhido no concelho de Mértola (cujo município lançou o desafio para esta criação).

A soma destas duas partes resulta num cruzamento rico de sonoridades, que espreitam o sul de Portugal, o Mediterrâneo, e ainda mais além, em viagem, o forró brasileiro.

Continuar a ler

x
error: O conteúdo está protegido!!