“Não sei [o que aconteceu], sei que entrámos num saco de fumo e de nevoeiro” e “que, de repente, não vi nada, só vi a traseira do outro reboque” aquando do impacto, contou aos jornalistas o português João Seabra, motorista de um dos cinco camiões envolvidos no choque em cadeia.