Últimas:
Acidente com carrinha. Vacinas a ser avaliadas. – TDS Radio e Televisão do Sul
Siga-nos
blank

Saúde

Acidente com carrinha. Vacinas a ser avaliadas.

Carrinha transportava 152 doses

Rádio e Televisão do Sul | TDS

Publicado

em

Acidente em Aguas de Moura, A2.

“Vacinas estão a ser avaliadas”

A carrinha que se despistou na A2 esta quarta-feira transportava 152 frascos de vacinas contra a Covid-19.

Destinavam-se a vários pontos de vacinação no Baixo Alentejo.

Os frascos das vacinas foram transportados pela equipa da GNR, que estava a fazer a escolta do transporte, para o centro hospitalar mais próximo do local do acidente.

As vacinas estão neste momento a ser avaliadas por uma equipa farmacêutica, em articulação com o Infarmed, de forma a verificar se as suas propriedades se mantêm.

Plano de vacinação no Baixo Alentejo não sofre alterações já que seguiram de imediato outras vacinas.

Saúde

Comissão de Utentes do Litoral Alentejano diz que vacinação não está a ser eficaz.

Comissão avança com sugestões ao governo

Rádio e Televisão do Sul | TDS

Publicado

em

A Coordenadora das Comissões de Utentes do Litoral Alentejano, tomou posição na última reunião sobre a actual situação da toma das vacinas.

“Vacinação não está a ser eficaz”

O actual sistema de vacinação para as Populações contra a Covid-19, não está a ser eficaz e em muitos casos a “conta gotas”, como recentemente afirmou o Responsável Nacional pela coordenação do processo de vacinação na última reunião do INFARMED.

Quem o afirma é a Coordenadora das Comissões de Utentes do Litoral Alentejano.

Segundo refere “Este atraso mais uma vez se verifica devido às opções políticas do Governo no sentido de realizar uma Parceria Público-Privada, para a implementação da criação da vacina e sua aplicação aos Utentes.”

A União Europeia financiou, com recursos públicos, a produção de vacinas. Financiou a fase de investigação e desenvolvimento; financiou seguros de risco; comprou antecipadamente vacinas.

Porém, abdicou de quaisquer direitos de propriedade sobre a invenção que financiou. O ritmo de produção das vacinas é, assim, determinado pela capacidade produtiva das farmacêuticas e pela gestão que as mesmas fazem do processo, em função dos seus interesses comerciais, inclusive na resposta aos vários pedidos de aquisição.

Segundo a Comissão “Este processo de vacinação revela-se que por um lado não termos soberania para produzir publicamente esta vacina, por outro estamos dependentes da Agência Europeia do Medicamento, é um grave erro.”

A Coordenadora das Comissões de Utentes do Litoral Alentejano, aponta algumas propostas:

– O Governo e o Ministério da Saúde sobre a aquisição de vacinas deveria e deverá no futuro diversificar a compra de vacinas, já aprovadas pela Organização Mundial de Saúde, a outros Países, não ficando dependente do contrato com a UE;

– O Governo deve também requerer a abertura das patentes, para que possam ser produzidas em território nacional e assim ter uma maior autonomia;

– O Governo deve valorizar e aumentar a produção de medicamentos no Laboratório Militar;

– Criação do Laboratório Nacional do Medicamento.

Continuar a ler

x
error: Content is protected !!