Últimas:
Covid 19 ‘mexe’ com pequenos negócios. – TDS Radio e Televisão do Sul
Siga-nos
blank

Saúde

Covid 19 ‘mexe’ com pequenos negócios.

40% das empresas portuguesas aceitou prazos de pagamento mais longos para evitar falência

Rádio e Televisão do Sul | TDS

Publicado

em

European Payment Report 2021

” Intrum afirma que a COVID-19 aumentou a consciencialização sobre o impacto dos atrasos de pagamento nos pequenos negócios’

De acordo com as conclusões do mais recente estudo da Intrum, 55% dos inquiridos afirma que a COVID-19 aumentou a consciencialização sobre o impacto que o atraso dos pagamentos tem sobre os pequenos negócios.

O EPR: European Payment Report 2021, que analisa os riscos de pagamento das empresas a nível nacional e internacional no período pós pandemia, revela que durante o último ano, 40% dos inquiridos portugueses admitiu ter aceitado prazos de pagamento mais longos para evitar o risco de falência. Uma subida acentuada de nove pontos percentuais, em relação a 2020, enquanto a média europeia se situou nos 39%.

O relatório da Intrum divulga ainda que 46% dos inquiridos portugueses revelam que “as condições de pagamento que atualmente oferecemos aos clientes são muito generosas, mas estão a prejudicar-nos como empresa”. Um valor igualmente superior à média europeia que é de 43%. Metade dos portugueses referiu ainda que a crescente incerteza macroeconómica os levou, no último ano, a dilatar as condições de pagamento aos seus fornecedores.

“40% das empresas portuguesas aceitou prazos de pagamento mais longos para evitar falência”

A maioria das empresas decidiu adotar uma abordagem mais proativa para a liquidez, com seis em cada 10 (59%) das empresas europeias a afirmar que a crise COVID-19 os motivou a mitigar melhor o risco de atrasos nos pagamentos nos seus negócios. Em Portugal, os resultados estão em linha com a média europeia, situando-se nos 58%. De salientar que os inquiridos que fizeram esta afirmação, 60% afirma estar envolvido em iniciativas voluntárias para pagamentos nos prazos. Um sinal positivo para o longo percurso que as empresas terão pela frente nos próximos tempos.

gap de pagamento médio europeu – a diferença em número de dias entre as condições de pagamento acordadas e o efetivo recebimento, diminuiu no ano passado. Nos últimos 12 meses, o gap de pagamento médio europeu para o Setor Público e clientes B2B reduziu de 15 para 10 dias e de 14 para 11 dias respetivamente, enquanto aumentou marginalmente para clientes consumidores B2C (de sete para nove dias). Em Portugal o diferencial entre o prazo acordado e o recebimento, diminuiu nos três segmentos analisados B2B, B2C e Setor Público: de 14 para 8 dias, de 18 para 12 dias e de 24 para 12 dias, respetivamente.

Para Luís Salvaterra, Diretor-Geral da Intrum, “As empresas ao tomarem consciência do papel que têm nesta matéria, focam-se na procura ou implementação de medidas preventivas dentro das suas organizações para mitigar o impacto negativo e protegerem-se dos atrasos de pagamento. Em Portugal o pré-pagamento aparece no topo das medidas enunciadas, com 43%, valor igual à média europeia. Dos países do sul da Europa, Itália destaca-se na adoção desta medida preventiva, com 48%, cinco pontos percentuais acima de Portugal e da média europeia. As cobranças e o controlo de crédito são as medidas preventivas mais utilizadas em Portugal, depois do pré-pagamento.”

Saúde

Barrancos, o concelho do país com risco mais elevado.

Covid 19

Rádio e Televisão do Sul | TDS

Publicado

em

Barrancos

“Risco extremamente elevado”

Barrancos é agora o único concelho do país em risco extremamente elevado de Covid-19, segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS).

O concelho alentejano regista uma incidência cumulativa a duas semanas de 1.171 casos de Covid-19 por 100 mil habitantes.

Portugal tem sete concelhos com risco muito elevado, ou seja, entre 480 e 959,9 casos por 100 mil habitantes nos últimos 14 dias.

Concelhos com risco muito elevado:

Albufeira (489), Alcoutim (674), Celorico da Beira (519), Penela (594), Póvoa de Lanhoso (489), São Brás de Alportel (501) e Vidigueira (566).

Concelhos em risco elevado:

Aljustrel, Amares, Beja, Boticas, Cabeceiras de Basto, Covilhã, Fafe, Lagoa (Algarve), Lagos, Loulé, Monchique, Montalegre, Portel, Portimão, Rio Maior, Serpa, Silves, Valpaços e Vila Nova de Foz Côa.

Continuar a ler

x
error: O conteúdo está protegido!!